Consumo de iogurte integral reduziu a obesidade em idosos

shutterstock_329654390.jpg (231 KB)

Para quem está fazendo dieta, parece natural procurar por iogurtes desnatados, ao invés dos integrais. Mas, os resultados de um novo estudo tornaram esta decisão mais complicada. Carmen Sayón-Orea e seus colegas da University of Navarra, na Espanha, observaram que o consumo de iogurte integral está associado com uma redução na circunferência abdominal e uma maior probabilidade de redução na obesidade abdominal em indivíduos idosos e com alto risco de problemas cardiovasculares. Esta associação não foi observada quando os indivíduos consumiram iogurte desnatado. 

Sayón-Orea e seus colegas já haviam observado, em estudos prévios, que indivíduos jovens e saudáveis, que consumiam uma grande quantidade de iogurte integral, apresentavam um menor risco de ficarem acima do peso ideal ou obesos. "Nós decidimos replicar nossas pesquisas em uma população de idosos", explica ela. 

Participaram do estudo 4.545 idosos com alto risco de problemas cardiovasculares. 

"A diferente associação entre o consumo de iogurte integral ou desnatado talvez possa ser explicada por alguns benefícios inerentes à gordura presente nos iogurtes integrais, ou porque os desnatados possuem um maior teor de açúcar, em relação aos integrais", explicou Sayón-Orea. Na Espanha, onde o estudo foi conduzido, muitos iogurtes desnatados são adicionados de açúcar, acrescenta ela. "Se a pessoa decide consumir iogurtes desnatados, é muito importante checar o teor de açúcar dos mesmos, e sempre escolher as opções com menos açúcar", afirma Sayón-Orea. 

Os pesquisadores concluíram que o iogurte integral pode ser benéfico no controle da obesidade. Mas, de acordo com Sayón-Orea, o consumo de qualquer tipo de iogurte traz benefícios para a saúde. "Eu acredito que qualquer iogurte é saudável, em função dos altos teores de cálcio, presença de ácido lático e probióticos", afirma ela. 

Em geral, os iogurtes são ricos em cálcio e também contêm ácido lático, que promove a absorção de cálcio. Existem evidências de que o alto teor de cálcio e de proteína dos iogurtes possa reduzir o apetite e a absorção de gordura, além de promover sua maior excreção e oxidação. Estes mecanismos podem explicar alguns dos efeitos benéficos dos iogurtes contra a obesidade e desordens metabólicas. 

"Outro possível mecanismo que pode estar envolvido com estes efeitos benéficos é o papel da microbiota no controle da obesidade e das doenças cardio-metabólicas. Algumas bactérias que são adicionadas aos iogurtes, como Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium bifidus, podem prevenir e curar algumas doenças, incluindo obesidade", explica Sayón-Orea. 

 

Fontes:

1. Santiago S., Sayón-Orea C., Babio N., Ruiz-Canela M., Martí A., Corella D., Estruch R., Fitó M., Aros F., Ros E., Gómez-García E., Fiol M., Lapetra J., Serra-Majem L., Becerra-Tomás N., Salas-Salvadó J., Pinto X., Schröder H., Martínez J.A. 2016. Yogurt consumption and abdominal obesity reversion in the PREDIMED study. Nutr Metab Cardiovasc Dis 26: 468–75.
2. Louie J.C., Flood V.M., Hector D.J., Rangan A.M., Gill T.P. 2011. Dairy consumption and overweight and obesity: a systematic review of prospective cohort studies. Obes Rev 12(7): e582–592.
3. Astrup A. 2014. Yogurt and dairy product consumption to prevent cardiometabolic diseases: epidemiologic and experimental studies. Am J Clin Nutr 99: 1235S–42S.
4. Martinez-Gonzalez MA, Sayón-Orea C, Ruiz-Canela M, de la Fuente C, Gea A, Bes-Rastrollo M. Yogurt consumption, weight change and risk of overweight/obesity: the SUN cohort study. Nutr Metab Cardiovasc Dis 24: 1189–96.
5. Sayón-Orea C., Bes-Rastrollo M., Marti A., Pimenta A.M., Martin- Calvo N., Martinez-Gonzalez M.A. 2015. Association between yogurt consumption and the risk of metabolic syndrome over 6 years in the SUN study. BMC Public Health 15: 170.
6. Tremblay A., Doyon C., Sanchez M. Impact of yogurt on appetite control, energy balance, and body composition. Nutr Rev 2015; 1(73 Suppl.): 23-7.
7. Tordoff M.G. 2001. Calcium: taste, intake, and appetite. Physiol Rev 81: 1567–97.
8. Sun J., Buys N. 2015. Effects of probiotics consumption on lowering lipids and CVD risk factors: a systematic review and meta- analysis of randomized controlled trials. Ann Med 47: 430–40.