Estudo sugere que crianças obesas que bebem leite têm menor risco de síndrome metabólica

Maioria das crianças com obesidade está consumindo menos do que o aconselhado

  crianca_obesa_shutterstock_311146907.jpg (1.98 MB)

 

HOUSTON - Crianças obesas que consomem pelo menos duas porções de qualquer tipo de leite de vaca diariamente são mais propensas a ter menor insulina em jejum, indicando melhor controle de açúcar no sangue, segundo pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, em Houston (UTHealth).

As conclusões do estudo, apresentado no Congresso Europeu sobre Obesidade em Viena, reiteram a importância do leite na dieta da criança. "Nossas descobertas indicam que crianças obesas que consomem pelo menos a quantidade diária recomendada de leite podem ter um manejo de açúcar mais favorável e isso pode ajudar a proteger contra a síndrome metabólica", disse Michael Yafi, primeiro autor do estudo e professor de pediatria da McGovern Medical, Escola na UTHealth.

O que preocupa, segundo ele, é que apenas um em cada dez jovens do estudo estava consumindo a quantidade recomendada de leite"

O consumo de leite na América tem caído constantemente nas últimas décadas, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, especialmente entre adolescentes, onde caiu quase pela metade - para menos de uma xícara por dia - entre 1977 e 2006.

“Os pais começaram a olhar para o leite não como uma coisa boa e eles estão cautelosos com isso. A mensagem para eles é não ter medo do leite, ou limitar seu consumo. É preciso encorajar crianças de todas as idades a continuarem bebendo livremente”, disse Mona Eissa, MD, Ph.D., pesquisadora principal do estudo, professora de pediatria e medicina do adolescente na McGovern Medical School da UTHealth.

 

Síndrome metabólica

A síndrome metabólica é definida como a presença de pelo menos três das cinco condições que aumentam o risco de diabetes, doença cardíaca e derrame - níveis elevados de açúcar no sangue ou triglicérides, pressão alta, excesso de gordura na barriga e baixos níveis de colesterol “bons”. Um terço das crianças e adolescentes americanos tem excesso de peso ou obesidade, o que está intimamente ligado ao desenvolvimento da síndrome metabólica.

 

Estudos anteriores mostraram que o leite protege contra a síndrome metabólica e diabetes em adultos, mas este é o primeiro a explorar esses fatores entre crianças obesas.

"Os resultados que o leite tem um efeito saudável sobre o alto nível de insulina, o que pode levar a diabetes tipo 2, são significativos, especialmente dada a crescente prevalência desta condição entre as crianças hoje em dia", disse Eissa.

Os pesquisadores avaliaram a ingestão diária de leite e sua associação com os níveis de insulina em jejum - o hormônio que estabiliza o açúcar no sangue e um biomarcador para o risco de síndrome metabólica - em crianças e adolescentes obesos atendidos em uma clínica de controle de peso pediátrico.

Eles realizaram uma revisão retrospectiva de 353 crianças e adolescentes obesos durante um período de dois anos (entre dezembro de 2008 e dezembro de 2010). Informações sobre a insulina sérica em jejum estavam disponíveis para quase metade dos participantes em sua primeira visita. A equipe de pesquisa também registrou informações sobre o consumo diário de leite, tipos de leite, suco diário de frutas e outras bebidas açucaradas, glicemia de jejum e sensibilidade à insulina.

Mais da metade dos participantes, todos com idades entre 3 e 18 anos, eram do sexo masculino; três quartos eram hispânicos; e a idade média foi de 11,3 anos.

Em média, apenas 23 das 171 crianças relataram beber a ingestão diária recomendada de duas a três xícaras. As meninas relataram beber menos leite que os meninos, mas nenhuma diferença na ingestão foi observada pela etnia.

A Academia Americana de Pediatria e as Diretrizes Dietéticas para Americanos de 2015 recomendam duas a três xícaras de leite com baixo teor de gordura (1% ou 2%) por dia para crianças maiores de 2 anos.

O estudo também descobriu que menos da metade (44%) das crianças que relataram beber menos de uma xícara por dia tinham níveis abaixo do normal, comparadas com quase três quartos (72%) das crianças que relataram beber mais de duas xícaras por dia.

No geral, as crianças que bebiam menos de um copo de leite por dia tinham níveis significativamente mais altos de insulina em jejum do que aquelas que bebiam pelo menos duas xícaras por dia.

Após o ajuste para outros aspectos que podem afetar os níveis de insulina, incluindo raça, etnia, gênero, nível de atividade física, ingestão de bebidas açucaradas, níveis de glicose e tipo de leite com base no teor de gordura, os pesquisadores descobriram níveis mais baixos de insulina em jejum entre as crianças que bebiam menos duas xícaras de leite por dia. Não foi observada associação entre o consumo de leite e os níveis de glicose ou lipídios no sangue.

“A ligação entre bebidas açucaradas e obesidade infantil está bem documentada. A deficiência de vitamina D também tem sido associada a isso. Em contraste, de uma perspectiva preventiva, nosso estudo piloto sugere que a ingestão de leite não é apenas segura, mas também pode proteger contra o desenvolvimento da síndrome metabólica”, disse Eissa. “No entanto, menos crianças estão bebendo o suficiente, especialmente com preocupações crescentes sobre o teor de gordura e a intolerância a laticínios. Apenas uma pequena porcentagem das crianças é realmente intolerante ao leite, então os pais não devem ter medo do leite ou cortá-lo.”

Eissa disse que uma vez que o tamanho da amostra era relativamente pequeno e inclui principalmente crianças hispânicas, estudos futuros devem ser feitos para confirmar os achados. "No entanto, isso ainda apresenta motivos razoáveis para ficar com a quantidade diária recomendada e fazer amigos novamente com leite", acrescentou Eissa.

 

Confira o estudo original no site da UTHealth.