O que a versão inicial do 'Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos' fala sobre o leite

Da Redação

Está em plena discussão pela sociedade a nova versão, lançada pelo Ministério da Saúde, do "Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos". O texto preliminar foi divulgado em junho e agora passa por consulta pública. Qualquer um pode participar com contribuições até o dia 25 de agosto.

O que é esse guia? Trata-se de diretrizes gerais sobre a alimentação de crianças nos 2 primeiros anos de vida, que vão subsidiar ações de educação alimentar e nutricional no SUS (Sistema Único de Saúde) e em outros setores, além de ser um instrumento de orientação para políticas, programas e ações que objetivem promover a saúde e a segurança alimentar e nutricional das crianças brasileiras.

Ou seja, é um apanhado das melhores orientações para a nutrição na primeiríssima infância, no momento mais decisivo para o crescimento e o desenvolvimento das crianças.

Conheça, abaixo, algumas orientações que constam na versão que está em consulta pública neste momento – todas em consonância com o que defende o #bebamaisleite:

 

Leite materno

  • "O leite materno é o alimento ideal para a criança, pois é totalmente adaptado às necessidades de seu organismo nos primeiros anos de vida. Não existe outro leite semelhante, nem mesmo aqueles muito caros, à venda nas farmácias e supermercados."
  • "Amamentar é um direito da mãe e ser amamentada é um direito da criança. Mas o exercício desse direito e por quanto tempo não dependem apenas da vontade e da decisão da mulher. Muitas vezes, apesar de querer, a mãe não consegue amamentar como gostaria."
  • "A recomendação atual é que a criança seja amamentada por 2 anos ou mais, e que nos primeiros 6 meses ela receba somente leite materno."
  • "Nenhum outro tipo de alimento necessita ser dado ao bebê enquanto estiver em amamentação exclusiva: nem líquidos, como água, chá, suco ou outros leites; nem sólidos, como papinha e mingau."
  • O texto traz ainda várias informações sobre dificuldades para amemantar, como tirar e armazenar leite materno, o momento do desmame, e perguntas e respostas.

amamentacao_aleitamentoshutterstock_118667500.jpg (619 KB)

Conhecendo os alimentos a partir dos 6 meses

  • Os alimentos in natura e minimamente processados devem ser a base da alimentação da criança e de toda a família. Aí está incluído o leite (pasteurizado ou em pó) e o iogurte sem adição de açúcar – além das carnes e ovos, frutas e legumes, cereais, feijões, raízes e tubérculos e castanhas e nozes.
  • Para a criança menor de 2 anos, somente alguns alimentos processados, como queijos e pão, podem compor a alimentação
  • Os alimentos ultraprocessados não devem ser oferecidos à criança e devem ser evitados pelos adultos

iogurte_shutterstock_218437996.jpg (67 KB)

O grupo dos leites

"A estrela desse grupo para a criança menor de 2 anos é o leite materno. Também fazem parte do grupo demais tipos de leite e seus derivados, como coalhadas, iogurtes naturais sem açúcar e queijos. São ricos em proteína, gordura, cálcio e vitamina A. O leite materno é um alimento completo, não sendo necessário oferecer leite de vaca para as crianças que são amamentadas. A partir dos 6 meses, o leite de vaca pode ser incluído como ingrediente de receitas caseiras e seus derivados podem fazer parte das refeições da criança."

Se a criança ainda mama no peito, e se for interesse da mãe em manter o aleitamento, não é necessário oferecer leite de vaca antes dos 2 anos. O motivo: "Quando outros leites são oferecidos à criança, ela suga menos o peito e a produção de leite materno diminui, podendo levar à interrupção completa da amamentação."

mamadeira_leite_shutterstock_619578767.jpg (893 KB)

 

Quando for preciso dar outros alimentos além do leite materno

  • "Quando a amamentação exclusiva não for possível ou não for a opção da mulher, as recomendações sobre a alimentação vão depender da idade da criança."
  • Se a mãe não está em casa ou não fica em casa rotineiramente e só tem um pouco (ou nenhum) leite materno guardado na geladeira/congelador? "Para crianças menores de 4 meses, oferecer este leite e completar com fórmula infantil à base de leite de vaca ou leite de vaca modificado em casa."
  • Tanto a fórmula infantil quanto o leite modificado em casa são feitos com leite de vaca. O guia apresenta as principais diferenças e mostra como modificar em casa.
  • "A criança alimentada com fórmula infantil à base de leite de vaca poderá receber novos alimentos a partir dos 6 meses. A partir dos 9 meses, a fórmula infantil à base de leite de vaca pode ser substituída pelo leite de vaca integral."
  • "A criança alimentada com leite de vaca modificado em casa até 4 meses poderá receber novos alimentos a partir dos 4 meses."

 

Parece fórmula, mas não é

O guia traz um alerta que o #bebamaisleite sempre divulgou: "Atenção! Existem produtos chamados “compostos lácteos” que não devem ser confundidos com fórmulas infantis nem com leite de vaca integral. Eles são produzidos com uma mistura de leite (no mínimo 51%) e outros ingredientes lácteos ou não lácteos e costumam conter açúcar e aditivos alimentares. Não é indicado para crianças menores de 2 anos e não substitui o leite materno. Os compostos lácteos têm embalagens e rótulos muito parecidos com os das fórmulas infantis à base de leite de vaca, geralmente são colocados lado a lado nas prateleiras dos supermercados e farmácias e têm preços menores."

compostolacteo.jpg (125 KB)
Embalagens parecidas confundem consumidores

 

Crianças vegetarianas e veganas

"A criança vegetariana ou vegana, assim como todas as demais, deve ser amamentada por 2 anos ou mais e, nos primeiros 6 meses, só receber leite materno. Se a criança não for amamentada, não se recomenda que receba leites vegetais caseiros (de soja, coco, amêndoas, arroz, aveia, entre outros) em substituição à amamentação, porque essa prática traz risco para o crescimento e desenvolvimento."

No caso dos vegetarianos estritos e veganos, é "fundamental o acompanhamento com profissionais de saúde para avaliar o consumo alimentar e de nutrientes, verificar o crescimento e orientar a alimentação. Recomenda-se que, após 6 meses, a criança receba suplementação de vitamina B12 e de ferro, pois as principais fontes desses nutrientes não estão presentes na alimentação vegana. Junto com uma alimentação diversificada, o objetivo dos suplementos é ajudar na prevenção da anemia."

Tem muito mais lá!

O guia traz ainda os direitos relacionados à alimentação infantil – como as pausas para amamentar, salas de amamentação, licença-maternidade e publicidade voltada às crianças – e conclui com 12 passos para uma alimentação saudável

Depois dos 2 anos, as crianças já podem adotar as orientações do Guia Alimentar para a População Brasileira, lançado pelo Ministério da Saúde em 2014, e que também recomenda o consumo de leite em vários momentos