Você sabe a diferença entre fórmulas, compostos lácteos e leite?

shutterstock_302839211.jpg (151 KB)

Muitas mães não sabem a diferença entre esses três tipos de alimento e, o pior, pensam estar dando leite para seus filhos quando, na verdade, não estão. Confira se você é uma delas. 

Fórmulas

As fórmulas são produtos indicados para bebês até 1 ano de idade. O objetivo desses produtos é complementar o aleitamento materno ou substitui-lo, quando a mãe não tem leite suficiente para alimentar o seu bebê ou não deseja amamentar. Podem ser enriquecidos com ácidos graxos essenciais e outros nutrientes. As fórmulas infantis vendidas no Brasil são em forma de pó e vêm embaladas em latas. Exemplos de fórmulas lácteas: Nam, Aptmil, Enfamil, Enfamil Premim, Similac, etc 

Compostos lácteos com óleos vegetais e fibras

Compostos lácteos não podem ser chamados de leite, pois contém em sua formulação, ingredientes vegetais como milho, soja e canola. São recomendados por alguns pediatras para crianças a partir de 1 ano de idade, muito embora, devessem ser utilizados apenas em casos especiais, quando a criança apresenta algum tipo de problema que impeça a digestão normal do leite. Outro questionamente em relação aos compostos lácteos é a inclusão de flavorizantes doces, o que os torna muito saborosos, mas que podem criar um hábito de consumo de alimentos adocicados nas crianças. Exemplos de compostos lácteos: Ninho Fases (+1, +3, etc), Enfagrow, Milnutri Pronutra, etc 

Leite

Por definição, leite é o alimento produzido pelas glândulas mamárias das espécies de mamíferos. No caso do leite de vaca, é o produto da ordenha desses animais, sem a inclusão de quaisquer outras substâncias, sendo comercializado na forma fluida ou em pó. Pode e deve ser fornecido para todas as crianças, a partir de 1 ano de idade, desde que não apresentem quadros de intolerância à lactose, alergia à proteína do leite de vaca e outros problemas de saúde que justifiquem sua exclusão. Vale lembrar que a maior parte desses quadros clínicos é transitória, permitindo, ao seu término, que a criança volte a consumir lácteos. 

Texto: Flávia Fontes, Médica Veterinária e Doutora em Ciência Animal pela Escola de Veterinária da UFMG